Refreando a língua

Maternidade, um presente de Deus
10 de maio de 2018
É possível ter alegria?
23 de maio de 2018

“A morte e a vida estão no poder da língua; o que bem a utiliza come do seu fruto.

Provérbios 18.21

Vários textos da Escritura falam a respeito da língua e de como é importante para aqueles que temem a Deus refreá-la.

Em sua Epístola, Tiago mostra que é mais difícil domar a língua do que um animal selvagem. Outros textos da Escritura são claros ao mostrar o mal que pode ser causado por ela (Sl 10.7; 50.19; Tg 3.1-12).

Mesmo havendo nas Escrituras tantas advertências a respeito do “refrear a língua”, parece que muitos são tomados de um desejo incontrolável e insaciável de falar da vida alheia. Com isso, temos, infelizmente, no meio cristão, aqueles que não se cansam de fazer mexericos a respeito do próximo.

O escritor de Provérbios nos diz que a morte e a vida estão no poder da língua, isto é, o ato de falar pode trazer o bem ou o dano. Ao falar, devemos estar atentos aos efeitos que serão causados por aquilo que proferimos.

Diz uma ilustração que o que falamos é como se picássemos muito papel, subíssemos num alto edifício e soltássemos ao vento. Da mesma forma que não haveria mais jeito de reunir todo o papel de volta, quando falamos, não temos como “recolher” todas as nossas palavras. O que agrava ainda mais a situação é que, na maioria das vezes, não sabemos nem se é verdade aquilo que “passamos para frente”.

Não é à toa que uma das respostas à pergunta de Davi no Salmo 15: “Quem, Senhor, habitará no teu tabernáculo?” (v. 1) seja: “o que não difama com sua língua, não faz mal ao próximo, nem lança injúria contra o seu vizinho” (v. 3).

Somos chamados para fazer diferença. Não podemos contrariar o que dizem as Escrituras. Portanto, se temos algo contra o nosso irmão, não falemos dele para os outros. Antes, o procuremos e coloquemos “em pratos limpos” aquilo que tem sido empecilho para a comunhão do corpo de Cristo. Oremos junto com ele e juntos busquemos caminhar em santidade de vida para o bem da Igreja de Cristo.

Em suma, se temos algo de bom para falar sobre o nosso próximo, falemos com os outros; se só tivermos coisas ruins a falar, falemos com ele próprio. Em ambos os casos, falemos antes com Deus que é aquele que promove a comunhão da Igreja.

Deus nos abençoe!

Pr. Milton Jr.

Milton C. J. Junior
Milton C. J. Junior
Graduado em Teologia pelo Seminário Teológico Presbiteriano "Rev. José Manoel da Conceição" e pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Especialista em aconselhamento bíblico pelo Seminário Palavra da Vida. Pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil desde 2002, servindo à Igreja Presbiteriana da Praia do Canto desde 2007.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × três =